Somos filhos
“Ora, se somos filhos, somos também herdeiros, herdeiros de Deus e co-herdeiros com Cristo; se com ele sofremos, também com ele seremos glorificados”. (Romanos 8.17)

Estava procurando alguns papeis em uma caixa na qual guardo cartas, mensagens, cartões, que recebo de amigos, parentes, filhos espirituais, quando encontrei uma mensagem que recebi há algum tempo de uma amiga de infância, de quando ela estudava no interior do Estado. A mensagem é a história (de autor desconhecido) é a de um alpinista. Conta-se que esse alpinista buscava sempre se superar e resolveu escalar o Aconcágua (o ponto mais alto das Américas). Mas como ele queria ter a glória só pra ele, foi sozinho. Ele então começou a subir e o tempo foi passando e escurecendo o dia. Mas mesmo assim, resolveu continuar a escalada durante a noite. E quando estava há apenas 100 metros de atingir o topo, escorregou e caiu. Na queda, enquanto caía numa velocidade vertiginosa, viu passar por sua mente vários momentos de sua vida. Momentos felizes e de tristezas. Então, de repente, sentiu um puxão que quase o partiu pela metade. Como todo alpinista experimentado, ele havia cravado estacas de segurança com grampos a uma corda comprida que fixou em sua cintura.  Então ele ficou ali pendurado. E a única coisa que lhe restava era gritar. Ele gritou por Deus, pedindo que Ele o ajudasse e o salvasse. Deus então lhe respondeu com uma voz que vinha do céu. Deus perguntou àquele homem se ele realmente acreditava que Ele poderia salvá-lo. E o alpinista respondeu que sim, que tinha certeza. Sendo assim, Deus pediu que Ele cortasse a corda que o mantinha pendurado. Porém, o alpinista duvidou, pois pensara que se cortasse a corda, morreria. Se agarrou mais ainda à ela. No outro dia, encontraram o alpinista congelado, morto, agarrado com força, com suas duas mãos à corda… A TÃO SOMENTE DOIS METROS DO CHÃO…

Ao ler essa mensagem, comecei a refletir sobre o cuidado de Deus para conosco, e também como muitas vezes nos comportamos diante das circunstâncias da vida. E alguns questionamentos fiz a mim mesma sobre isso. Qual tem sido a minha fé? É uma fé em mim mesma? Ou fé no Deus vivo? Que tipo de corda eu tenho me agarrado? Estou confiando na corda da fé em Jesus ou na corda da confiança na minha própria força? E agora pergunto para você: em que corda você tem segurado? Talvez a sua corda seja a tristeza, a depressão, a enfermidade, o abandono, a falta de perdão (talvez você precise perdoar alguém ou perdoar a si mesmo), a corda da baixa auto-estima. Você se sente inferior aos outros. Mas chegou a hora de soltar, de cortar essa corda que te prende, e começar a se ver como Deus te ve. Muitos de nós não conseguimos reconhecer a herança que recebemos de Deus. A herança de sermos filhos, de sermos herdeiros dele. Quantas vezes não agimos como filhos, mas como bastardos? Jesus, quando levou sobre si os nossos pecados na cruz do calvário, nos deu o direito de herança, de sermos chamados filhos de Deus. Às vezes parece que esquecemos que somos salvos, que Jesus derramou seu próprio sangue a nosso favor. E com isso, vivemos uma vida de incertezas, de dúvidas, de doenças. Seguramos uma  pseudocorda, acreditando que a segurança está nas coisas e não em Deus.

A salvação vem por meio de Jesus. Ele quer que vivamos como seus filhos, pois somos filhos do Rei. Uma coisa eu posso te dizer com certeza: você, eu, nós, somos herdeiros com Cristo. Por isso, é tempo de tomar posse dessa herança e viver verdadeiramente como herdeiros, como filhos de Deus.

E aí? Está segurando firmemente a sua corda? Por que você não a corta?

Deus te abençoe!

Nicibel Silva
Redação Lagoinha.com
redacao@lagoinha.com